Cuidar de Você 26 de Abril de 2016

Resfriado comum ou H1N1? Como diferenciar?


Conteúdo atualizado em 19/04/2018 às 16h59.

Quando chega o inverno, os casos de doenças respiratórias causadas por vírus aumentam consideravelmente. Isso porque, em épocas frias, a penetração dos vírus pelas vias nasais é facilitada. Saiba agora a diferença entre a gripe por H1N1 e o resfriado comum, patologias em efervescência no momento.

Criança assoprando flor, para ilustrar que o contágio da gripe ou Influenza h1n1 pode ser pelo ar

Não confunda a Gripe por H1N1 e o Resfriado Comum

Dezenas de micro-organismos podem causar doenças respiratórias, entre eles temos o rinovírus, adenovírus e o vírus da Influenza, que dependendo da reação do organismo de quem o adquiriu pode evoluir para um quadro grave da doença.

Gripe por H1N1 x Resfriado Comum

Apesar dos sinais semelhantes, podemos diferir a Gripe por H1N1 do resfriado comum através da intensidade dos sintomas clínicos:

  • A febre da gripe por H1N1 pode ultrapassar os 39 graus. Tosse seca, dores de cabeça e de garganta mais fortes e cansaço extremo, são outros indicadores da doença. Os infectados também apresentam falta de ar, esta não ligada à coriza ou ao nariz entupido, pois dificulta mais a respiração, mesmo com o ar em circulação normal pela garganta e nariz. Alguns pacientes podem apresentar, ainda, sintomas como diarreia.
  • Já a intensidade do resfriado comum é branda, com dor de cabeça, coriza, tosse e febre baixa, em uma força ameno.

É importante distinguir os sinais da Gripe por H1N1 com o do resfriado comum para evitar automedicação e agravamento da doença.

Grupos de risco da Gripe por H1N1

Em alguns casos, como o de gestantes, de idosos, crianças menores de dois anos, transplantados, pessoas em tratamento com uso de corticoide ou de quimioterapia e diabéticos, é necessário um maior cuidado com a propagação do vírus. Ao apresentar os sintomas, mesmo que sejam leves, é preciso procurar atendimento médico para realizar o diagnóstico e tratamento, a fim de evitar a evolução do quadro para complicações como pneumonia, insuficiência respiratório e, mais raramente, o óbito.

Transmissão

Tosse, espirro e fala são as maneiras mais comuns de propagação da Gripe por H1N1 e do resfriado comum. A transmissão também ocorre por meio de materiais contaminados que, após o contato com esse material, a mão for levada à boca, ao nariz ou aos olhos.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com base nas manifestações clínicas e epidemiológicas. A identificação do vírus, no hospital, pode ser feita após um teste com secreção respiratória, colhida através de um swab (uma espécie de cotonete feito de um material especial) para a identificação do material genético do vírus. Esse exame é indicado somente para os casos mais graves. Mas todas as medidas são tomadas antes de sair o resultado. 

Tratamento do H1N1

Diferente do resfriado comum, o vírus da Gripe por H1N1 tem tratamento específico com medicamento oral, disponível nos Postos de Saúde com receita médica. Outras medidas são recomendadas como repouso, ingestão de líquidos e uma boa alimentação. 

Prevenção

Dicas simples como lavar as mãos com frequência e investir em uma dieta rica de alimentos antioxidantes, como laranja, limão e kiwi, são básicas para a prevenção não só do H1N1, mas também do resfriado e da gripe comum.

Veja abaixo mais dicas:

  • Evite manter contato próximo (1 metro ou menos de distância entre você e a pessoa infectada);
  • Lave sempre as mãos com água e sabão ou higienize com álcool-gel;
  • Mantenha hábitos saudáveis. Alimente-se bem e coma bastante verduras e frutas;
  • Beba bastante água;
  • Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros;
  • Se achar necessário, utilize uma máscara para proteger-se de gotículas infectadas que possam estar no ar;
  • Se estiver com algum tipo de doença de transmissão respiratória, use máscara para proteger as pessoas ao seu redor;
  • Se você faz parte dos grupos de risco, imunize-se assim que a vacina estiver disponível na rede pública, pois o H1N1 é um dos componentes de vacina distribuída pelo Ministério da Saúde. A vacina também está disponível na rede privada.

dra-monica-facanha
Conteúdo aprovado pela médica infectologista Dra. Mônica Cardoso Façanha
Formada pela Universidade Federal do Ceará (UFC) | Residência em Clínica Médica – Hospital dos Servidores do Rio de Janeiro | Mestrado em Doenças Infecciosas – UFRJ | Doutorado em Farmacologia – UFC | Professora titular de Clínica de Doenças Infecciosas da Faculdade de Medicina da UFC

Rodapé da página.