Cuidar de Você 23 de Fevereiro de 2021

Tudo sobre o Câncer de Pele e 3 hábitos essenciais para a sua prevenção


O câncer de pele é o tipo de câncer mais frequente no Brasil e no mundo. Sua causa está geralmente relacionada à alta exposição ao sol.

Mulher prevenindo cancer de pele passando protetor solar

Morar em cidades ensolaradas, onde o sol se faz presente em quase todos os dias do ano, possibilita bons momentos de lazer na praia ou na piscina, além de favorecer a prática de diversas atividades ao ar livre. Entretanto, é preciso ter cautela, pois a exposição excessiva ao sol pode ocasionar desde insolações a problemas maiores como o câncer de pele.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pele atinge cerca de 33% dos brasileiros, com 180 mil novos casos anualmente. Sua maior causa está relacionada à alta exposição ao sol sem cuidados.

O que é câncer de pele?

O câncer de pele é quando ocorre o crescimento anormal e desordenado das células da pele. Essas células começam a se multiplicar de maneira desordenada, resultando em diferentes tipos da doença.

Os tipos mais comuns de câncer de pele são conhecidos como carcinomas basocelulares e espinocelulares. Essas duas formas da doença são responsáveis por cerca de 177 mil casos anualmente.

Há um terceiro tipo de câncer de pele, menos comum, porém, mais agressivo e com alto índice de mortalidade, o melanoma que é responsável por cerca de 8 mil casos por ano no Brasil.

Conheça os tipos de câncer de pele

Carcinomas basocelulares

Essa forma de câncer de pele é a mais frequente (corresponde a 70% dos casos da doença no Brasil) e a que possui maior índice de cura, pois possuem um crescimento mais lento e com menor risco de metástase. Esse tumor afeta as células da camada mais profunda da epiderme, chamada de camada basal, gerando esse tipo de câncer de pele.

Os carcinomas basocelulares afetam com mais frequência indivíduos de pele clara, sendo mais raros em pessoas de pele negra e mais comum nas pessoas que trabalham expostas ao sol como agricultores, pescadores , operários da construção civil etc.

Esse tipo de câncer surge com mais frequência nas áreas mais expostas à luz do sol, sendo 90 % dos casos localizados na região da cabeça e pescoço, principalmente nessas áreas:

  • Nariz;
  • Orelha;
  • Ao redor dos olhos.

Carcinomas espinocelulares

Cerca de 20% dos tumores de pele são carcinomas espinocelulares. Esse tipo de câncer de pele se forma a partir de mutações celulares nas camadas intermediárias de epiderme.

Essa forma da doença é mais agressiva do que o carcinoma basocelular, pois é capaz de se espalhar para outros órgãos como o pulmão, fígado, ossos e pele, além de invadir as estruturas ao seu redor. Esse tipo de câncer é mais comum em homens acima dos 60 anos de idade e apresenta crescimento mais acelerado que o carcinoma basocelular“, explica o dermatologista da Unimed Fortaleza, Igor Coêlho Cavalcanti.

A principal causa da doença é a alta exposição aos raios solares, mas alguns casos desse tipo de câncer de pele estão relacionados à feridas crônicas ou cicatrizes de queimaduras, uso de drogas antirrejeição de órgãos transplantados, exposição à agentes químicos e à radiação.

O espinocelular pode se desenvolver em qualquer parte do corpo, mas é mais comum nas seguintes regiões:

  • Orelhas;
  • Face e couro cabeludo;
  • Lábios;
  • Pescoço;
  • Dorso das mãos.

Essas regiões são mais propensas ao desenvolvimento do espinocelular por estarem mais expostas à radiação solar e, por isso, a pele dessas partes do corpo tendem a ser mais enrugadas, com mudança de pigmentação e com menos elasticidade. “Esse tumor também pode ocorrer no pênis, vulva e no interior da boca“, completa o Dr. Igor Coêlho.

Melanoma

O melanoma é o tipo de câncer de pele mais agressivo e letal, pois seu crescimento é acelerado e tem mais chance de causar metástase, já que ele tem a capacidade de invadir qualquer órgão, incluindo pulmão, fígado, osso, coração e cérebro.

O melanoma surge de mutações das células chamadas de melanócitos, aquelas que produzem o pigmento que dá a cor marrom da nossa pele. Boa parte deles se origina de um sinal em nossa pele“, explica o dermatologista.

Apesar da gravidade, esse tipo de tumor, quando identificado precocemente, pode ter mais de 90% de chances de cura. É comum o melanoma aparecer nas seguintes regiões do corpo humano:

  • Pele;
  • Olhos;
  • Unhas;
  • Trato gastrointestinal;
  • Membranas mucosas;
  • Órgãos Genitais.

Os 4 tipos de melanoma

1 – Lentigo maligno melanoma

Sua incidência é maior em idosos acima dos 70 anos de idade e em pessoas que possuem a pele danificada pelo sol na região do rosto, pescoço, dorso e mãos. As lesões de pele desta doença geralmente são manchas grandes, marrons, de aspecto irregular.

2 – Melanoma extensivo superficial

Esse tipo de câncer de pele é o mais frequente, ocorrendo mais em pessoas brancas. Pode se manifestar em qualquer idade ou região do corpo, sendo mais frequente nas costas e nos membros inferiores. Seu formato costuma ser plano e irregular e ocorre em tons de preto e marrom.

3 – Melanoma letiginoso acral

É a forma mais rara do câncer de pele melanoma, sendo mais comum em afro-americanos e surgindo nas palmas das mãos, sola dos pés ou embaixo das unhas.

4 – Melanoma nodular

Apresenta uma capacidade de invadir mais profundamente a pele, sendo mais comum no dorso, cabeça e pescoço. A lesão é elevada e pode apresentar várias cores misturadas, marrom claro, azul e preto.

Quais são os sinais do câncer de pele?

O câncer de pele geralmente se assemelha a pintas, sinais, ferimentos que sangram ou não saram ou caroços. Por isso, é muito importante conhecer seu corpo para reconhecer alguma lesão ou pinta diferente.

Características do carcinoma basocelular

  • Nódulo consistente ou com aparência perolada, como se estivesse coberto de cera;
  • A pigmentação pode ser branca, rosa claro, marrom ou bege;
  • Sangra com facilidade;
  • Aparenta ser uma ferida que não cicatriza;
  • A área lesionada pode formar uma crosta e vazar líquidos;
  • Placas avermelhadas e descamativas.

Características do carcinoma espinocelular

  • Nódulo ou manchas avermelhadas e irregulares com crescimento acelerado;
  • Lesões descamativas, ásperas, que coçam e sangram com facilidade;
  • Nódulos rugosos semelhantes às de couve-flor;
  • Ferida que não cicatriza.

Características do melanoma

  • Mudança em uma macha ou pinta existente;
  • Surgimento de pinta ou mancha bem pigmentada ou de aparência incomum;
  • Manchas com mais de uma cor e de formato irregular;
  • Manchas escuras que coçam, sangram e doem;
  • Ferida que não cicatriza.

Como diagnosticar o câncer de pele?

O câncer de pele só pode ser diagnosticado por um especialista e por meio de exames específicos para analisar o tecido danificado. O médico dermatologista pode solicitar os seguintes exames para identificar ou descartar a doença:

  • Dermatoscopia;
  • Microscopia Confocal;
  • Biópsia.

Encontre um dermatologista no Guia Médico da Unimed Fortaleza

Como tratar a doença?

O tratamento para o câncer de pele é feito, geralmente, com cirurgia para remover a área lesionada. Em casos mais avançados, como no melanoma, que chega mais rápido ao estado de metástase, pode ser necessário tratamento com quimioterapia ou radioterapia.

Como prevenir o câncer de pele?

A maior incidência de câncer de pele está relacionada à alta exposição solar sem proteção. Por isso, é importante adotar hábitos cuidadosos com a pele, principalmente se você vive em uma cidade na qual o sol se faz presente o ano inteiro. Por isso, lembre-se de:

  1. Passar protetor solar com FPS de no mínimo 30, diariamente. É importante reaplicar a proteção pelo menos três vezes por dia;
  2. Usar chapéus, bonés, óculos e camisetas com FPS;
  3. Ficar atento ao seu corpo e o examinar periodicamente, pois essa é a forma mais fácil de identificar precocemente lesões, manchas ou pintas que não existiam ou que mudaram a aparência;
Caso identifique lesões estranhas à pele, procure um dermatologista.

Conheça outros fatores de risco ao câncer de pele

Além do sol, outros fatores de risco são:

  • Idade e sexo (mais comum na idade adulta, principalmente a partir da 5ª década de vida, o câncer de pele também atinge mais homens do que mulheres);
  • Características da pele (pessoas de pele clara, albinas, com sardas, pintas ou que nunca se queimam após se exporem ao sol, estão mais suscetíveis a desenvolver a doença);
  • Histórico familiar (apesar de não ser hereditário, pessoas que têm na família antecedentes de câncer de pele, correm maior risco de desenvolver a doença);
  • Imunidade baixa (principalmente pessoas transplantadas e com o sistema imunológico enfraquecido têm um risco aumentando de câncer de pele);
  • Histórico pessoal (quando a pessoa já teve câncer ou lesões pré-cancírgenas).

Quem teve câncer de pele pode tomar sol?

Sim! Após o tratamento adequado, é importante manter uma vida saudável ao ar livre. Quando aproveitado de forma segura, o sol traz benefícios à saúde, principalmente na produção da Vitamina D.

Procure sempre um profissional

Caso desconfie de algum sintoma, não hesite em procurar um médico dermatologista para tirar suas dúvidas! A Unimed Fortaleza dispõe de uma variedade de médicos especialistas para lhe atender no momento que você mais precisa. Acesse nosso Guia Médico Online para encontrar o profissional mais próximo de você!
 dr-igor-cavalcanti

Conteúdo desenvolvido em parceria com o médico dermatologista da Unimed Fortaleza, Dr. Igor Coêlho Cavalcanti (CRM – 8655 / RQE – 4910) | Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Rodapé da página.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência de navegação, personalizar conteúdo e melhorar o desempenho do site. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Cookies e de Privacidade.