Cuidar de Você 09 de Outubro de 2018

Qual é o melhor tratamento para rosácea?


Quando falamos de aparência, danos visíveis na pele podem causar grandes incômodos. É o caso da rosácea. Entenda agora as causas, os sintomas e conheça o tratamento mais adequado para cada caso.

Homem analisando seu rosto em frente ao espelho

Nossa pele é nossa imagem. Ela fica exposta o tempo todo e poucas coisas incomodam tanto quanto olhares despretensiosos quando estamos com algum problema de pele visível. E, nesse caso, a rosácea é uma doença que chama bastante atenção, afinal, como o próprio nome já indica, ela deixa a pele bastante rosada.

O que é rosácea e quais suas causas?

A rosácea é uma doença de pele comum, cujos sintomas causam vermelhidão no rosto, principalmente nas bochechas. Mas, em alguns casos, pode afetar os olhos, sendo denominada rosácea ocular. Geralmente, essa doença começa entre as idades de 30 e 60 anos e afeta mais mulheres do que homens.

Ela se caracteriza por uma alteração nos pequenos vasos sanguíneos do rosto e unidades pilossebáceas (pelos) e sua origem ainda não é conhecida. Porém há uma predisposição individual – mais comum em brancos e descendentes de europeus – que pode ser familiar. Em parte dos casos, há um histórico familiar positivo, evidenciando uma possível base genética.

Além disso, alguns fatores podem desencadear ou piorar a rosácea, aumentando o fluxo de sangue para a superfície da pele. São eles:

  • Alimentos ou bebidas quentes;
  • Alimentos picantes;
  • Álcool;
  • Exposição ao sol e temperaturas extremas;
  • Estresse, raiva ou vergonha;
  • Banhos quentes ou saunas;
  • Uso de remédios que dilatam os vasos sanguíneos, incluindo medicamentos para pressão arterial.

Imperdível: Descubra 5 alimentos anti-estresse

Conheça os 5 tipos de rosácea

Os tipos variam de acordo com a forma como ela se manifesta. Para que você identifique melhor, listamos todos abaixo.

1. Eritemato telangectasia

Nesse tipo, a pele adquire um tom avermelhado, rosado e pequenos vasos se tornam evidentes, principalmente na região centro facial, próximo às narinas. O avermelhamento pode piorar com a exposição ao sol; com momentos de estresse; exercícios físicos e calor. Neste caso, a pele é mais sensível e cremes fortes ou ácidos devem ser evitados.

2. Rosácea pápula pustulosa

Junto ao tom avermelhado aparecem lesões pápulo-pustulosas em surtos, como se fossem espinhas. Esse tipo lembra a acne e é até chamada, erroneamente, de acne rosácea. O tipo pápula pustular é mais comum em homens, com melhoras e pioras intercaladas.

3. Rosácea fimatosa

A pele torna-se espessada, endurecida e avermelhada, com os poros dilatados. É caracterizada pelo aumento das glândulas sebáceas do nariz e acontece, geralmente, em homens com mais de 50 anos. Com o tempo, o nariz pode aumentar de tamanho. Às vezes, o queixo também é comprometido.

4. Rosácea ocular

Como o próprio nome já indica, ela atinge os olhos. Parte dos casos são identificados em consultas feitas com um oftalmologista. Esse tipo se caracteriza por uma inflamação – conhecida pelo nome de “blefarite” – com avermelhamento e descamação nos cílios. Esse é o mais grave tipo de rosácea, porque pode evoluir até à perda da visão.

5. Granulomatosa

Esse é um tipo mais raro de rosácea, que se chama “granulomatosa”. É identificada pelo surgimento de pequenos nódulos acastanhados no rosto. Seu diagnóstico é difícil e requer um nível de suspeita muito alto por parte do dermatologista.

Existe cura para rosácea?

Até então, não existe cura. Mas, com o tratamento correto, bem como o acompanhamento de um médico dermatologista, é possível controlar os sintomas, evitar incômodos maiores e garantir que a doença não se agrave.

Conheça o tratamento mais adequado

O tratamento para rosácea mais comum é feito com produtos de uso tópico, sob orientação médica. O objetivo é diminuir a inflamação e vermelhidão do paciente.

Nos tipos de rosácea pápula pustulosa, ocular e fimatosa, o uso de antibióticos se faz necessário. São medicamentos a serem utilizados até que o médico dermatologista identifique o controle da doença. O tratamento pode ter duração de 3 a 6 meses, a depender de cada caso. Além disso, em todas essas situações, o profissional pode permitir a associação dos medicamentos com processos feitos com laser.

Para o tipo de rosácea fimatosa, existe correção cirúrgica. Já o tratamento para rosácea ocular, geralmente, pede uma atenção mais direcionada, com a indicação do uso de colírios locais e imunossupressores para a redução intencional da eficiência do sistema imunológico, também. Em casos de uso do laser no tratamento para rosácea, a luz do laser alcança os vasos, fazendo com que sejam destruídos, clareando, assim, a região ocular.

Os 4 sintomas mais comuns da rosácea

A rosácea, em suas formas de surgir, pode gerar sintomas mais fortes que outros, que variam de acordo com cada pessoa. Além disso, as lesões não evoluem sempre. Isso também é um fator variável. No entanto, para facilitar a identificação desses sinais, listamos os mais comuns abaixo:

1. Protuberâncias na face
Semelhantes a acnes.

2. Face com vermelhidão
Pequenos vasos sanguíneos no nariz e bochechas inchados e facilmente visíveis.

3. Nariz deformado
Em alguns casos, um dos tipos de rosácea pode engrossar a pele do nariz, fazendo com que ele aumente em seu tamanho.

4. Olhos secos e pálpebras rosadas
Inchaço seguido de irritação ocular, que causa coceira.

4 técnicas para controlar o estresse utilizando a respiração

Cuide-se com mais praticidade

Você identificou algum desses sintomas? Acredita que precisa de tratamento para rosácea? Busque o diagnóstico correto. Baixe o Aplicativo Minha Unimed, acesse o Guia Médico Inteligente e escolha o profissional médico para realizar uma consulta e receber o atendimento necessário. E, ainda no app, acesse várias outras utilidades.

Para ficar sempre por dentro dos assuntos que falamos por aqui, assine nossa newsletter abaixo e nos acompanhe também em nossas redes sociais, Facebook, Instagram e Youtube!

 

dra-lucidi-goncalvesConteúdo aprovado em parceria com a médica dermatologista, Dra. Lucidi Gonçalves (CRM 4715) | Médica dermatologista do Hospital Regional Unimed | Médica do Centro Dermatológico Dona Libânia | Residência em Clínica Médica pela Universidade Federal do Ceará | Residência em Dermatologia pela Universidade Federal do Ceará | Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia


Rodapé da página.